sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Ronco e Apneia Obstrutiva do Sono

Artigo assinado pelo Dr. Fábio Tadeu Moura Lorenzetti

O ronco e a apneia do sono são problemas muito frequentes na população em geral, principalmente em indivíduos que estão acima do peso. São afecções mais comuns no sexo masculino, porém as mulheres não estão livres do problema.
Além do desgaste e do constrangimento causados pelo ronco, alguns indivíduos possuem apneias associadas, ou seja, param de respirar enquanto dormem. Se uma pessoa apresenta mais de 5 eventos respiratórios por hora de sono acompanhados de sintomas como sonolência diurna, a doença é chamada de Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS). Por outro lado, quando o número de eventos é inferior a 5 por hora, não havendo queda importante da taxa de oxigênio sanguíneo, denomina-se Ronco Primário.
Na região da faringe (garganta), há uma vibração de tecidos durante a passagem do ar gerando um ruído (ronco), podendo obstruir parcialmente o fluxo de ar (hipopneia) ou chegar a um completo colabamento desta região (apneia obstrutiva). Estes pacientes apneicos geralmente não conseguem atingir um sono profundo e repousante. Desta forma, costumam acordar cansados e ter muita sonolência durante o dia, mesmo que durmam um número adequado de horas por noite. Além disso, indivíduos acometidos podem apresentar dor de cabeça, irritabilidade, queda do rendimento intelectual, impotência sexual e muitos outros sintomas. Estão sujeitos a sérias complicações de saúde: cardiovasculares, pulmonares, neurológicas, psíquicas, etc.
Estudos indicam que o número de acidentes automobilísticos em pacientes com SAOS é 7 vezes maior do que na população geral, principalmente em virtude da sonolência. Acidentes de trabalho também são freqüentes.
As pessoas que possuem algumas destas queixas, inicialmente, devem realizar uma consulta com médico especialista para fazer um diagnóstico correto e avaliar a gravidade do problema. Para isso, muitas vezes, o médico precisa do auxílio de exames subsidiários como a Polissonografia (que monitoriza o paciente e registra uma noite de sono) e a avaliação endoscópica das cavidades nasais e da faringe.
Além de medidas comportamentais, como corrigir hábitos alimentares, praticar atividade física e regularizar os horários de sono, existem vários tratamentos disponíveis para o ronco e para os distúrbios respiratórios do sono:

• Geradores de fluxo aéreo: o CPAP (Continuous Positive Airway Pressure) é um aparelho que a pessoa coloca para dormir, o qual fornece uma pressão aérea positiva através de uma máscara, evitando o colabamento das vias respiratórias. Existem ainda outros aparelhos (BiPAP, C-Flex, Auto-set,...) com sistemas semelhantes, porém mais sofisticados;
• Aparelhos intra-orais: os mais utilizados são os que promovem avanço da mandíbula enquanto o paciente dorme. São confeccionados por dentistas especializados;
• Procedimentos Cirúrgicos sob anestesia local: Radiofreqüência, Laser (LAUP), Injeção Roncoplástica e Implantes palatais;
• Cirurgias sob anestesia geral (diversas técnicas): Nasais, Faríngeas ou Esqueléticas.

Somente após avaliação individualizada do paciente, o médico poderá indicar o(s) melhor(es) tipo(s) de tratamento(s) para cada caso; Os resultados bem-sucedidos dependem muito desta indicação adequada. Além do tratamento específico, quando o paciente está cima do peso, a perda ponderal é sempre benéfica. Desta forma, os pacientes ficam satisfeitos e seus parceiros, muito mais.

Dr. Fábio Tadeu Moura Lorenzetti, CRM 95864, é responsável pelo Setor de Otorrinolaringologia e Medicina do Sono do Spa Med Campus Sorocaba ; Otorrinolaringologista pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP); Título de Especialista pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial ; Título de Medicina do Sono pela Associação Brasileira de Sono / SBSono ; Coordenador do Hospital de Otorrinolaringologia de Sorocaba/ BOS; Observership - Advanced Center for Specialty Care (Chicago-USA); Observership - Medical College of Wisconsin (Milwaukee-USA); Observership – Stanford University (Palo Alto-USA); Pós-Graduando (Nível Doutorado) no HC-FMUSP

Nenhum comentário:

Postar um comentário