quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Saiba mais sobre arqueria!




Em diversas culturas, o arco é uma arma nobre, manejada apenas pelos guerreiros e foi utilizado durante séculos para a caça e a guerra. Na China, a tradição se manteve com outros objetivos graças, sobretudo, à filosofia pa-kua (conhecimento milenar chinês que significa “oito mutações”. O pensamento se baseia nos estágios de mutação da natureza, segundo o qual existem diversas formas de se resolver uma situação). O Ocidente tem sua própria tradição de arqueria. Inclusive, a modalidade tiro como arco é classificado como esporte olímpico, com normas da Federação Internacional do Tiro com Arco (FITA).

O arco é muito procurado por pessoas com rotina estressante, em busca de relaxamento, pois a concentração exigida faz com que você esqueça por um momento os problemas e dificuldades da vida cotidiana e tudo que importa é acertar o alvo. E com isso a prática do esporte  pode ser muito útil, pois ensina os benefícios da paciência.

Fornece ainda grande satisfação ao combinar atributos mentais e físicos para uma boa prática. O esporte exige além de concentração e foco, força física e coordenação motora para puxar a corda e para disparar com precisão.

Porém não se deve ser praticado como brincadeira, apontando o arco armado pra alguém, por exemplo, e o espaço para a prática deve ser aberto e amplo, mas controlado, pois as flechas são perigosas.

Isabela Araujo
Recreadora do Spa Med Sorocaba Campus

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Por que nos cansamos mais correndo na rua do que na esteira?


Correr na esteira é aconselhável para os iniciantes, pois traz mais segurança e controle de seu ritmo. Nela temos duas formas de aumentar a intensidade do exercício, a inclinação ou a velocidade, mas mesmo assim devemos ter um preparo e conhecimento para aplicar estas ações na esteira.

Já quando corremos na rua, utilizamos com maior intensidade a musculatura posterior dos membros inferiores, então quem não está acostumado acaba cansando-se mais do que na esteira, é essencial o acompanhamento de um educador físico para esta pratica sem prejuízos.


José Marcelino

Coordenador físico do Spa Med Sorocaba Campus


quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Entenda mais sobre o metabolismo corporal


Como todo e qualquer ser vivo, nosso corpo necessita de energia para manter-se funcionando, sem isso não há trabalho celular, e consequentemente não há vida.
A principal fonte de energia vem dos alimentos, que ao serem ingeridos liberam a energia necessária para o funcionamento do organismo, e podem também ser estocados como reservas de energia na forma de 3 componentes básicos: glicose, proteína e gordura, as quais serão utilizadas quando o corpo não estiver recebendo energia suficiente para o seu gasto calórico, por exemplo durante uma dieta para emagrecimento.
Sabe-se há muito tempo, que uma pessoa engorda na medida em que o consumo de energia através dos alimentos é maior que o gasto calórico total, havendo então um armazenamento dessa energia, principalmente na forma de gordura. O inverso é verdadeiro, ou seja, para emagrecer o indivíduo precisa gastar mais energia do que a que está sendo ingerida.
Ao longo do último século o avanço tecnológico dos meios de transporte, assim como dispositivos eletrônicos poupadores de energia (elevadores, controle remoto, escada rolante, etc) fizeram  com que a população mundial gastasse menos energia diariamente, e a maior oferta de alimentos com alto teor calórico e de baixo custo propiciou um aumento importante no consumo de energia,  em torno de 400 Kcal/dia a mais, o resultado disso é a epidemia da obesidade que vemos atualmente.
Sabemos que o gasto energético total compreende o gasto energético de repouso (aproximadamente 60 - 70% do total), que representa a energia despendida nos processos metabólicos utilizados na manutenção da temperatura corporal, nos gradientes iônicos através das membranas, na mobilidade e secreção gastrintestinal, e na função muscular cardíaca e respiratória.
A termogênese alimentar (aproximadamente 10% do gasto energético total), representa a energia necessária para a digestão alimentar, o transporte e depósito destes nutrientes.
Por último, a energia gasta com as atividades físicas (aproximadamente 20 -30% do gasto energético total), representa o gasto na forma de atividade física, sendo o mais variável dentre os indivíduos, incluindo a atividade física voluntária e involuntária, e é neste componente que tem se observado redução gradual ao longo das últimas décadas, devido aos avanços tecnológicos, permitindo menos esforço físico para inúmeras atividades do dia-a-dia, levando ao desequilíbrio energético e ganho de peso
Cada pessoa apresenta um gasto calórico, tão maior quanto maior o peso total, e diretamente proporcional à massa magra e ao número de exercícios e atividade física realizados diariamente.
Diferentes fatores são responsáveis pelas variações individuais de metabolismo, entre eles o peso total, a massa magra (principal responsável pelo gasto energético de repouso), a gordura corporal, idade e sexo, sendo estes responsáveis por 80% da variação no metabolismo de repouso entre as pessoas.
Embora os motivos que expliquem todas diferenças no gasto energético ainda não estejam totalmente esclarecidos, sabemos que fatores genéticos também podem influenciar as taxas metabólicas.
O aumento no peso corporal é seguido de uma elevação no gasto energético total, e o inverso é verdadeiro, algo que parece fazer parte do sistema de homeostase energética na tentativa de manter o equilíbrio entre gasto e consumo.
A bioimpedância e algumas fórmulas matemáticas nos ajudam a calcular o metabolismo basal e total, e baseado nele podemos inferir a melhor quantidade de calorias a ser ingerida na dieta proposta para a perda de peso, sem necessariamente ter que restringir esse ou aquele tipo de alimento, ou seja, até hoje cientificamente não se provou que a dieta X ou Y seja a melhor ou a pior, mas que a restrição de calorias (dietas hipocalóricas equilibradas) em relação ao gasto calórico de cada um, mantendo equilíbrio de macro e micronutrientes, é mais saudável e tolerável para aqueles que precisam emagrecer e manter-se magros no longo prazo.


Lucas Tadeu Moura

Endocrinologista do Spa Med Sorocaba Campus

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

O Benefício das Frutas Vermelhas



As frutas vermelhas, ou o famoso grupo dos berries (framboesas, amoras, morangos, mirtilos, cerejas, cranberrys, goji berry, entre outros), apresentam em geral um composto bioativo, as antocianinas, que conferem as frutas à coloração vermelho-arroxeada, e também os flavonóides, antioxidantes poderosos no combate contra os radicais livres, que são responsáveis pela oxidação e envelhecimento das células do nosso organismo. Além de possuir poucas calorias, as frutas vermelhas são excelentes na prevenção de doenças cardiovasculares e neurodegenerativas, além de serem poderosos antiinflamatórios e apresentar vitamina C, potássio e fibras que auxiliam no funcionamento intestinal e na redução do colesterol.

Veja abaixo a nossa famosa receita de Suco Vermelho:
  
Ingredientes:
·   1 xícara de chá de frutas vermelhas congeladas de sua preferência  (amora, framboesa, mirtilo, blueberry, cranberry);
·        150 ml de suco natural de melancia;
·        150 ml de água de coco.

Modo de Preparo:
Bater todos os ingredientes no liquidificador e refresque-se com esta delícia!


Aline Garrido

Nutricionista do Spa Med Sorocaba Campus